Home / Blog / Solidez Matrimonial – parte:18

Solidez Matrimonial – parte:18

“Pedro perguntou a Jesus: “Senhor, quantas vezes devo perdoar ao irmão que pecar contra mim? Até sete vezes?” A resposta foi: “Não te digo até sete vezes, mas setenta e sete vezes” (Mt. 18, 21,22). “Senhor manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao vosso. Fazei-nos viver o “amor e a reconciliação” (Ladainha do sagrado Coração de Jesus).

Passaremos a tratar de um assunto recorrente que é traumatizante e é o grande responsável pelo crescimento do número de divórcios. Até porque as separações se dão normalmente por uma série de situações mal resolvidas ou engavetadas e dificilmente por apenas um fato isolado.
Estarei reeditando parte de matéria anteriormente publicada sobre o perdão, já que este é extremamente necessário para a consolidação da solidez matrimonial.
No início da vida familiar, todo relacionamento passa necessariamente por um período de ajustes, principalmente em se tratando de casais, pois ambos vêm de criações em ambientes e com pessoas diferentes, e assim haverá ao longo da vida alguns desentendimentos, uma vez que as idéias e a maneira de encarar as situações podem ser diferentes, gerando conflitos.
Outrora, enfatizamos que há sempre três verdades para os conflitos, a de um, a do outro e a verdadeira que só Deus sabe, pois cada um encara o problema da maneira que o vê, sem considerar o ponto de vista do outro.
Ainda é bom lembrarmos que não são apenas as diferenças de pontos de vistas que causam transtornos ao relacionamento, mas também a imposição de idéias; as contra-ordens nos ensinamentos dos filhos que faz desabar o respeito aos pais; os momentos em que, consciente ou inconscientemente magoamos os nossos familiares, por atitudes ou palavras mal colocadas; a permissão dentro do lar de drogas de quaisquer espécies, vícios, bebidas, jogos, compulsão de qualquer gênero; agressões tanto física como moral; o desrespeito que engloba inclusive a infidelidade, etc.; então, como equacionar todas as dificuldades enfrentadas?
Não podemos deixar de considerar o fato de que por trás dos danos causados pelos conflitos não solucionados, certamente virão os traumas, e estes farão um estrago maior nas nossas vidas, pois traz consigo a impressão de que somos fracos, incompetentes.
Todo problema não resolvido, mais cedo ou mais tarde incomodará, e mágoas profundas poderão se instalar em nossos corações.
As maiorias dos psicólogos dizem que “as mágoas e os ódios desencadeados em nossos corações, freqüentemente são manifestações de nossas feridas internas e cobramos do outro aquilo que não suportamos em nós mesmos”.
Mas, o que precisamos estar conscientes é que não poderemos abrir brechas em nossos corações para a manutenção de mágoas ou situações mal resolvidas. Precisamos estar sempre livres, até para termos capacidade máxima de ação em todos os momentos.
Assim a maneira como tratamos os conflitos e as divergências de idéias é que fazem a diferença, pois quando expressos com abordagens diferentes, geram tensão e descontentamento fazendo com que ao invés de ser um só foco de conflito, passam a ser dois, pois teremos que lidar também com a tensão que as diferenças causam.
Continuaremos abordando este assunto no próximo mês.
Com amor e carinho.
Cirso Teodoro da Silva
cirso@cts.adv.br
3019-8990 * 3027-8991 * 9116-6741

Sobre Santuário São José

avatar

Além disso, verifique

Grande Festa em Celebração ao Jubileu de 60 anos da Paróquia São José

Grande Festa em celebração ao Jubileu de 60 anos da Paróquia São José – Capão …